Discussão com PM em rede social pode ter motivado ataque à casa de presidente de diretório do PT em Nuporanga, SP

Imóvel foi alvo de artefatos explosivos na madrugada de domingo (28).

Vídeo feito por câmeras de segurança aponta policiais militares como suspeitos da ação.

Corregedoria da PM vai ouvir PMs suspeitos de ataque em Nuporanga, SP Um desentendimento nas redes sociais pode ter sido a causa do ataque à casa da presidente do diretório municipal do PT em Nuporanga (SP).

Policiais militares são os principais suspeitos de jogar explosivos contra o imóvel da professora Mariene Guioto de Souza na madrugada de domingo (28).

Em depoimento à Polícia Civil na tarde desta segunda-feira (29), a líder do partido informou que discutiu com um policial pelas redes sociais na véspera.

“A vítima comentou na rede social sobre a ação de policiais em uma determinada ocorrência.

No sábado à noite, ela acabou discutindo com um policial na rede social e durante a madrugada tivemos esse episódio”, afirma o delegado Clodoaldo Vieira Delgado.

Imagens mostram viatura da PM no Centro de Nuporanga, onde casa de presidente municipal do PT foi alvo de suposto atentado Reprodução/EPTV Vídeo Imagens feitas por uma câmera de segurança, por volta de 1h de domingo, mostram que uma viatura faz ronda no centro da cidade.

No lado direito do vídeo é possível ver um clarão, que vem de uma casa.

Em seguida, quando a viatura da PM está na esquina, um homem de capuz corre e entra no carro.

Há outro clarão, e os policiais vão embora.

Mariene e a mãe dela registraram boletim de ocorrência informando que ouviram ruídos que pareciam disparos de arma de fogo, por volta de 1h da madrugada do domingo, e que foram até a cozinha, onde sentiram cheiro de pólvora. A presidente do diretório municipal do PT em Nuporanga (SP), Mariene Guioto de Souza Jefferson Severiano Neves/EPTV Além disso, relataram que ouviram o barulho de um carro deixando a rua em frente à casa e que, depois disso, voltaram a dormir.

Durante a manhã, foram encontradas marcas de pólvora e estilhaços do que parecia ser um explosivo perto do portão da garagem e da parede da cozinha. Apuração O ouvidor das polícias do estado de São Paulo, Elizeu Soares Lopes, cobrou uma investigação rigorosa do caso. “Assisti o vídeo e fiquei indignado com o atentado, sobretudo porque envolve policiais militares.

É inadmissível, vivemos em plena democracia, e não podemos aceitar um fato como esse.

Hoje eu requisitei ao corregedor da PM uma investigação que apure os fatos, as circunstâncias.

E hoje mesmo pedi para que afastasse os policiais”, afirma. Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca
Categoria:SP - Ribeirão Preto e Franca