Bloomberg não emplaca em debate

Adversários atacam legado de ex-prefeito de Nova York, rotulando-o como a versão democrata de Trump.

Michael Bloomberg levanta a mão para falar no debate dos pré-candidatos democratas Mike Blake/Reuters Encorajado pela ascensão meteórica nas pesquisas, o ex-prefeito Michael Bloomberg teve uma estreia desastrosa no debate democrata em Las Vegas.

Foi insistentemente alvejado por seus adversários, que espelharam nele a versão democrata do presidente Donald Trump, com ataques sobre racismo e discriminação contra mulheres em suas empresas. A falta de carisma de Bloomberg contrastou com a sua campanha milionária.

Ele já investiu mais de US$ 400 milhões em anúncios e só entra para valer na disputa na Super Terça, no dia 3 de março, quando haverá primárias em 15 estados. Sua primeira participação desde 2009 num debate político apimentou a disputa, mas revelou um candidato tenso, que ora gaguejava, ora demonstrava irritação com os ataques.

Devolvia respostas inconclusivas aos rivais.

"Estamos concorrendo contra um bilionário que chama mulheres de gordas e lésbicas com cara de cavalo.

E não, não estou falando de Donald Trump.

Estou falando do prefeito Bloomberg”, acusou a senadora Elizabeth Warren, a mais combativa em apontar o telhado de vidro do ex-prefeito de Nova York. Até o moderado ex-vice-presidente Joe Biden, que amarga uma queda vertiginosa nas pesquisas e duas derrotas nas prévias de Iowa e New Hampshire, aproveitou-se das brechas no legado de Bloomberg.

Confrontou o ex-prefeito sobre o policiamento racista no programa conhecido como Stop-and-frisk (pare-e-reviste), que ele herdou de Rudolph Giuliani e implementou ativamente durante seus três mandatos à frente da cidade de Nova York. Bloomberg pediu desculpas por erros do passado e não convenceu.

Lamentou que as revistas policiais se concentravam basicamente na população negra e latina.

Argumentou, inclusive, que interrompeu a política assim que se deu conta dos abusos, quando, na verdade, a prática foi suspensa por ordem judicial. O ex-prefeito escorregou nas acusações de sexismo e discriminação contra mulheres em suas empresas.

Recorreu às mesmas desculpas de Trump para se justificar: “Talvez uma ou outra não gostasse de uma piada que contei.” Foi cobrado por ter apoiado George W.

Bush em 2004, por não ter liberado suas declarações de renda. Em terceiro lugar nas pesquisas nacionais, sem ainda ter enfrentado as urnas, Bloomberg decepcionou e definitivamente não emplacou neste primeiro debate.

Sua presença serviu para desviar os ataques dos demais concorrentes ao senador Bernie Sanders, que saiu ileso do combate e mantém a liderança na disputa democrata. Ex-prefeito de NY Michael Bloomberg participa de debate entre pré-candidatos democratas
Categoria:Mundo